Leandro Ramos

Minha experiência com o Fedora Silverblue

Veja como esta sendo minha experiencia com um sistema moderno em um computador muito fraco e antigo.


Antes de começar: façam meu natal mais feliz. Se meu conteudo ajuda de alguma forma, considere fazer uma doaçao no link https://pagseguro.uol.com.br/checkout/nc/nl/donation/sender- identification.jhtml?t=7b3d14829771610a94a20d898133a3caa2f81e757e2ba2726161f9eaf50981a4&e=true

Tela de detalhes do sistema e do PC

Silverblue e o novo nome do sistema operacional conhecido anteriormente como Atomic Workstation , e seus principais beneficios sao velocidade, segurança e base imutavel. Se quiserem saber mais sobre o que e o Fedora Silverblue, leiam aqui.

Meu “super” hardware

Instalaçao do sistema

A instalaçao do sistema e feita da mesma forma que a versao Workstation do Fedora, usando o instalador Anaconda. A instalaçao demorou o mesmo tempo que a instalaçao do Fedora Workstation ou qualquer spin do Fedora (sim, ja usei todas elas). Ou seja, o processo foi demorado: processador fraco

Problemas na instalaçao

Apos a instalaçao e apos fazer o setup inicial do GNOME, tive um problema com o GDM, que ja havia sido reportado aqui. Apesar de ter acesso ao TTY para poder configurar a conexao com a internet pelo terminal, eu resolvi instalar a versao 30, que ainda possui suporte, para prosseguir com meus testes. Isso nao faria diferença porque o objetivo final era instalar o XFCE, que esta na mesma versao no 30 e no 31.

Pos-instalaçao

Apos a instalaçao, fiz o rebase para a versao 31, mas obtive o mesmo erro relatado acima, entao fiz o rollback para a versao 30 novamente (essa e uma das vantagens de usar o Silverblue).

Fedora Silverblue 30 instalado e funcionando

Usando o “Contas Online” para acessar meu Google Drive

Consumo do disco apos a instalaçao

Consumo do disco com o sistema recem-instalado

Como eu esperava, o sistema nao ficou nada fluido com GNOME no meu Atom, entao usei o projeto Kinoite para instalar o ambiente desktop XFCE.

Usei o excelente tutorial do Renato Araujo, do blog FastOS: https://fastoslinux.com/2019/07/30/silverblue-com-kde-plasma

Se voces forem usar o Silverblue, visitem o blog FastOS, tem muita coisa sobre o sistema.

Instalaçao do Ambiente XFCE

Fiz o rebase para o XFCE, e o download foi de 743MB

O sistema ficou muito mais leve com o Ambiente XFCE, mais leve, inclusive,do que a spin XFCE do Fedora padrao .

Consumo inicial de RAM e processador do Silverblue com XFCE

Apliquei o tema Greybird e troquei o wallpaper

Apos a instalaçao do XFCE o sistema passou a ocupar 11GB do HD, somando as duas imagens: GNOME e XFCE, pois fiquei com os dois instalados e posso escolher na hora do boot (GRUB).

Instalaçao de pacotes

Precisei instalar pacotes para usar o sistema (ora, mas que surpresa!). Optei por usar dois metodos: rpm-ostree e Flatpak

Para alguns pacotes, principalmente de sistema e a GNOME Software, eu usei o rpm-ostree, equivalente ao DNF no fedora padrao. E para outros pacotes, os de programas desktop, preferi os flatpaks.

RPM Fusion Free

rpm-ostree install https://download1.rpmfusion.org/free/fedora/rpmfusion-free-release-$(rpm -E %fedora).noarch.rpm

Apos o reboot (temos que fazer um reboot apos instalar pacotes com o rpm- ostree, pois o sistema monta outro deploy do sistema todo a cada instalaçao)

rpm-ostree install gnome-software xarchiver ffmpeg vim git neofetch gcc-c++ mesa-libGL-devel simplescreenrecorder

Obs.: instalei o gcc-c++ e o mesa-libGL-devel para rodar um programa em Qt que estou fazendo num curso (usando o QtCreator). Insralei o simplescreenrecorder para gravar os videos sobre o uso do sistema.

Vantagens do rpm-ostree

E existem mais vantagens, mas ainda sou um iniciante no sistema, farei mais posts/videos ao longo do uso.

Desvantagem do rpm-ostree

A instalaçao de qualquer pacote com o rpm-ostree requer o reboot da maquina, para podermos iniciar o novo deploy do sistema com os layered packages instalados. Dica: fa ça uma lista de tudo que forem precisar para instalar tudo de uma vez usando o rpm-ostree.

Fiz um video mostrando a instalaçao de pacotes com rpm-ostree:

Lidando com flatpaks

Para instalar alguns flatpaks, adicionei o repositorio flathub:

flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://dl.flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Assim, pude usar a GNOME Software para instalar programas do repositorio Flathub

GNOME Software oferecendo a habilitaçao de repositorios de terceiros

Flatpaks na GNOME Software

Pacotes instalados via flatpak:

LibreOffice Calc

Fiz um video sobre a instalaçao de Flatpaks no Fedora Silverblue:

Sobre o desempenho e uso de disco dos flatpaks

Pacotes flatpak requerem runtimes e SDKs para rodarem. Se todos os empacotadores usassem o mesmo runtime para os pacotes que exigem GNOME, para os que exigem KDE, etc., seria melhor. Mas receio que nunca havera uma padronizaçao de runtimes e SDKs. Se quiserem ver como construir um flatpak, fiz um tutorial, veja aqui.

Depois da introduçao acima, posso dizer que o consumo do disco da minha maquina ficou um pouco acima do que seria consumido usando pacotes rpm tradicionais, mas nao farei comparativos e nem graficos aqui. Se quiserem ver um artigo sobre isso, vejam o post do FastOS aqui.

Sobre o desempenho, nao notei nenhuma diferença entre os programas flatpak e os rpm tradicionais na minha maquina, e eu ja fiz muitos videos sobre o Fedora LXDE usando o mesmo computador, fora o fato de usar Fedora no mesmo PC ha varios anos. Os programas rodam com o mesmo desempenho, tando com rpm quanto com flatpak.

Consumo do disco antes de instalar o programa DBeaver:

Consumo do disco antes de instalar o dbeaver

Consumo do disco depois de instalar o DBeaver:

Consumo do disco depois de instalar o dbeaver

Foram 2,3GB de disco para instalar o DBeaver. Claro que se outros programas precisarem dos mesmos runtimes e SDKs que o DBeaver precisa, eles serao compartilhados, e algumas partes dos runtimes tambem sao compartilhadas, as vezes o flatpak baixa dependencias parciais e nao um runtime inteiro tambem.

Uso do disco antes e depois da instalaçao do editor/IDE Geany:

Uso do disco antes da instalaçao do Geany

Uso do disco depois da instalaçao do Geany

No caso do Geany, o uso do disco foi de 1GB. Nao fiz o comparativo de todos os outros programas.

Ajustes para maior fluidez do sistema

Para que o sistema rodasse melhor no meu PC, eu fiz algumas alteraçoes:

Eu nao criei partiçao de swap para o sistema, mas sim um arquivo de swap depois do sistema instalado. Se quiser saber como criar um arquivo de swap, leia o tutorial aqui ou veja o video que fiz abaixo:

Outros ajustes:

Se quiserem ver como fazer estes e outros ajustes, vejam o post do Fabio Akita aqui ou o video abaixo:

Sobre o uso do sistema

Eu fiquei surpreso ao usar o sistema no meu PC mais fraco. Esperava um sistema mais lento por usar tantos conteineres, mas o que obtive foi um sistema leve e gostoso de usar, comparavel ao Void Linux com XFCE que usei por tanto tempo no mesmo computador. Para quem nao acompanhou, eu fiz muitos videos sobre o Void com XFCE no mesmo computador aqui.

Exceto as tarefas no navegador, que sao o calcanhar de Aquiles do meu PC, o sistema esta rodando com uma fluidez surpreendente para o meu hardware, e esta longe de usar todo o HD de 160GB que dediquei a ele.

Entendam: e um sistema moderno rodando com fluides num computador legado e que ja era dos mais fracos na epoca em que foi lançado.

Existem algumas coisas que ainda nao conheço muito, vou tratar delas nos proximos topicos.

O repositorio Flathub e confiavel?

O Fedora Silverblue foi concebido para ser usado com flatpaks. Existem alguns repositorios nos quais tenho mais confiança: Fedora, GNOME e KDE Apps.

O repositorio onde os programas flatpak funcionam melhor e o flathub. Eu sei que muitos empacotadores que publicam no flathub sao os desenvolvedores dos programas (upstream), mas o flathub nao mostra quem sao os mantenedores, todos aparecem como Flathub Maintainers. Seria muito bom se o Flathub mostrasse, de fato, quem mantem os pacotes.

GNOME Builder no repositorio Flathub

Quem sao os mantenedores do GNOME Builder no Flathub?

Consideraçoes finais

O post poderia ser feito no forum da Comunidade Fedora Brasil, onde eu posto muitas coisas. Mas preferi postar aqui por ter algumas opinioes pessoais.

Se alguem me perguntar se vale a pena usar o Fedora Silverblue, baseado na minha experiencia no PC mais fraco que eu tenho, eu digo que sim, com certeza.Se voces nao quiserem usar o kinoite (que vou falar sobre em outro artigo), podem instalar outros ambientes desktop manualmente. Eu optei pelo Kinoite porque ele nao apenas instala o ambiente XFCE, mas ja “faz a limpa” e remove as coisas do GNOME instaladas anteriormente.

Como usei muitas coisas do flathub, eu gostaria de saber quem sao os mantenedores dos pacotes, e nao apenas “Flathub Maintainers”.

O Flathub sera o proximo “repositorio oficial” caso o Silverblue realmente venha a substituir o Fedora Workstation? Ou vamos (sim, eu me incluo nisso) levar os pacotes para o repositorio flatpak do Fedora? Sao perguntas sinceras, e eu gostaria de ver o comentario de voces a respeito disso.

Nao tive problema nenhum em usar o Silverblue e os flatpaks num PC extremamente fraco e velho, entao derrubei o mito que estava na minha propria cabeça, sobre a fluidez do sistema: o argumento sobre o desempenho piorado por usar flatpaks foi derrubado, e essa foi a maior motivaçao para eu ter começado a empreitada de usar o Fedora Silverblue. No proximo ano vou instalar o Silverblue no PC do meu trabalho (atualmente tenho o Debian Oldstable nele – o Stretch) e usar ao longo do ano, tentando contribuir com o projeto e com a comunidade.

P.S.: Se virem algum erro, me ajudem a corrigir.

E voces, conhecem o Silverblue? Tem algo a dizer sobre ele?

Um grande abraço e ate a proxima, pessoal.