Leandro Ramos

Software Livre, Software Proprietário e os anseios da comunidade ao longo dos anos


Primeiro lançamento do Ubuntu – 4.10 Warty Warthog

Hoje vou falar um pouco sobre software livre, software propriet ario e sobre a mudança nos anseios da comunidade Linux ao longo dos anos. Nao estarei dizendo que as pessoas que usam Linux nao devem usar software propriet ario, eu mesmo preciso usar alguns, por falta de escolha. E falta de escolha tambem faz parte do texto a seguir.

Motivaçao

Durante os ultimos dias eu procurei por algum adaptador wireless USB para meus computadores, e depois de uma conversa com alguns colegas, resolvi procurar por algum que n ao dependesse de firmware propriet ario para funcionar.

Durante minha busca, notei que os hardwares que eu estava procurando eram mais comuns h a alguns anos, especialmente na decada passada, e hoje temos que procurar muito. Eu so encontrei em algumas lojas internacionais.

Isso me fez pensar sobre como esta mais dificil encontrar tais hardwares hoje em dia, e isso me motivou a falar sobre o assunto.

Um pouco de historia

Houve uma epoca, do inicio dos anos 2000 ate 2010, mais ou menos, em que tivemos um movimento forte pelo software livre (ainda bem que em portugu es temos uma palavra que nao significa o mesmo que “gratis”).

Nessa epoca, tinhamos mais hardwares que funcionavam com software livre, inclusive os adaptadores wireless e processadores que n ao precisavam do microcode propriet ario. Basta fazer uma busca por ano aqui – https://h-node.org – e ver quando tinhamos mais opçoes.

Vejam uma busca por adaptadores wireless que funcionam em sistemas livres, buscando pelo ano de 2010, apareceram oito dispositivos USB e dois dispositivos PCI:

Busca por adaptador wireless “livre” em 2010

Agora vejam a mesma busca, so que em 2018. Nao aparece nenhum dispositivo:

Busca por adaptador wireless “livre” em 2018

Nao acompanhei a decada de 1990 no software livre. N ao por falta de idade, mas por nao imaginar o que era Linux na epoca. Mas eu usava bastante freeware , que na epoca tambem ajudaram a confundir as pessoas, pois misturavam freeware com software livre, especialmente porque em ingl es a palavra free serve tanto para “livre” quanto para “gratis”.

Os freewares s ao softwares gratuitos, mas nao sao livres, nao disponibilizam codigo-fonte, nao permitem que voce redistribua (inclusive fazendo modificaçoes para redistribuir), limitam a quantidade de maquinas em que voce pode instalar, etc. Nao vou me aprofundar nos conceitos de software livre, software opensource e freeware no momento.

Os freewares ainda existem, e ainda confundem os usu arios (mesmo tendo as palavras “livre” e “gratis” disponiveis no nosso idioma), e para usa-los voce precisa concordar com suas licenças, que muitas vezes aparecem como EULA (voces ja viram isso, eu sei). Alguns exemplos de freewares atuais s ao WPS Office Community, FreeOffice, Visual Studio Code*, Google Chrome, etc.

*Se quiserem entender sobre a diferença das licenças entre o Visual Studio Code e o Code OSS (base do VSCode), vejam aqui.

Apos o desvio para falar sobre os freewares , vou retomar o fio da meada.

Do inicio da decada de 2010 ate hoje (2019)

Recapitulando o que eu disse no topico anterior, sobre as decadas passadas:

Nessa epoca, tinhamos mais hardwares que funcionavam com software livre

Hoje temos um movimento contrario: temos cada vez mais hardwares que n ao funcionam sem firmwares propriet arios. E o que me assusta e que n ao reclamamos por isso. Ao inves disso, clamamos para que mais softwares propriet arios venham para o Linux para que possamos usar esses hardwares.

Entendam: nao ha problemas em usar software propriet ario para que seus hardwares funcionem plenamente, afinal, voc es pagaram pelo hardware e merecem usa-lo com todos os recursos disponiveis. Entendam esse ponto, e muito importante.

O problema e a mudan ça de direçao das coisas: nas decadas passadas, a comunidade Linux pedia por mais hardware que funcionasse com software livre. Hoje em dia a comunidade clama por mais softwares propriet arios para seus hardwares funcionarem, e eu n ao vejo (se tiver, eu ainda nao vi) um movimento reclamando pela abertura de firmwares , tornando-os livres, ou pela nao necessidade de firmware algum para que um simples adaptador wireless funcione sem nada propriet ario. Um exemplo de hardware que depende do firmware propriet ario e a minha placa wireless  – Intel 7265, ela nao funciona sem firmware propriet ario, e muita gente acha que e livre porque funciona “de primeira” na maioria das distribuiçoes Linux – mas essas distribuiçoes trazem o firmware nonfree no seu instalador, para que o usu ario nao fique sem internet, e isso e bom (enquanto nao temos uma soluçao realmente livre).

Minha Wireless Intel 7265

Percebem a diferença de direçao? Antes, queriamos mais hardware independente de software propriet ario, hoje queremos mais software propriet ario para o nosso hardware. Implic ancia minha? Podem dizer que sim, mas e uma mudança de direçao.

Uma boa iniciativa para contornar a necessidade de drivers e firmwares propriet arios e o Projeto Nouveau, que tem o objetivo de prover drivers livres para placas de v ideo nVidia, inclusive portando o software para o NetBSD. Esta longe de ser o ideal, mas pensem duas vezes antes de falarem mal do projeto e, se possivel, ajudem.

Exemplificando melhor a mudança nos anseios da comunidade

Saindo um pouco dos firmwares , vou falar sobre outra coisa que mostra, mais claramente, a mudança de direçao:

Voces ja perceberam ou viram algum movimento que cobre do Microsoft Office uma maior compatibilidade com os formatos abertos, ou que ele pare de mudar o layout de documentos feitos em outros programas? Aposto que nao. Justamente pelo MS Office ser proprietario e fechado e dificil pedir alguma coisa (issue no repositorio dele? hehe). E infelizmente e a suite de escritorio mais usada, especialmente no meio corporativo.

Nao, nos nao pedimos para ele ser mais compativel, e o pior: nao ajudamos os softwares livres a melhorarem, e eu me incluo nisso. E pior ainda: pedimos para que o Microsoft Office venha para o Linux, para que o mundo todo seja compativel com ele – essa e a mudança de direçao a que me refiro aqui, favorecer o software proprietario em vez de favorecer a liberdade do usu ario (tema de um futuro post).

De onde vem a mudança de direçao?

Essa mudança de direçao, ou mudança nos anseios da comunidade Linux, pode ter vindo de varios lugares, entao e uma questao que deixo aqui para voces. Mas vou mostrar uma delas, vejam o anuncio do primeiro lançamento do Ubuntu, o 4.10 Warty Warthog aqui.

Anuncio do Ubuntu 4.10, primeiro lançamento do Ubuntu

Destaquei um trecho da imagem acima:

Absolutamente comprometido com software livre, todo programa para o usuario final, no CD, e software livre.

E quem acompanha a historia do Ubuntu sabe que isso mudou (e muito) na decada atual. Claro que tem justificativa: trazendo software proprietario no seu (CD) arquivo ISO, ele garante que o sistema vai funcionar para o maior numero de usuarios possivel, e isso contribui para que o sistema se popularize. No entanto, deixo outras questoes para voces:

A Canonical nao tem algum poder, mesmo que pouco, de convencer pelo menos um fabricante de hardware a abrir seus drivers e firmwares? Estou citando apenas a Canonical, mas juntemos as maiores empresas que lidam com Linux, elas nao tem alguma força para isso? Ou nao querem? Ou fazem e eu nao vi? (Pode ser que eu nao tenha visto, abram meus olhos, por favor, e dormirei melhor).

A comunidade pode fazer alguma coisa sobre isso?

Acredito que a comunidade nao possa fazer muita coisa. Mas uma coisa ela nao pode deixar de ser: questionadora. Temos que questionar essas coisas, por que temos gigantes da tecnologia usando e fazendo software livre e estamos cada vez mais entupidos de software propriet ario – e clamando por mais softwares proprietarios?

Quem nao viveu ou nao prestou atençao nas decadas passadas nao entende o inconformismo de quem esta vendo essa transiçao da luta por coisas que respeitam a liberdade do usuario para o

tanto faz, desde que funcione

Entao, quando virem alguem falar sobre software livre e liberdade do usu ario, nao atirem pedras, vamos conversar, pois sua liberdade e tirada de voces todos os dias, ate nas embalagens dos produtos que escondem informaçoes importantes, e voces acabam comprando produtos sem saberem o chipset , as vezes nem a versao (ou lote) do modelo do equipamento. Alguem de voces ja conseguiu testar um adaptador wireless ou outros dispositivos antes da compra? Isso tem a ver com nossas liberdades.

O “tanto faz” e perigoso demais. Se formos por esse caminho, logo teremos um kernel livre rodando um monte de coisas que nao sabemos de onde vem, como sao feitas e nem o que fazem com nossos dados.

Muito obrigado pela leitura. Ate a proxima, pessoal!